História do monge João Maria!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

OS SANTOS OLHOS DO MONGE SÃO JOÃO MARIA











SANTO OLHO – POCINHO DE SÃO JOÃO MARIA
“MONGE DA LAPA”

O mapeamento dos pocinhos de são João Maria – SANTOS OLHOS –se deu logo no inicio do projeto “Águas em Movimento” patrocinado pelo “Programa da Petrobras Ambiental”,pela equipe da técnica de Porto Vitoria , resultou na descoberta de alguns pocinhos na região da Lapa foram três; um na Floresta São João, um na comunidade do Canoeiro e um na Comunidade de Mato Queimado.
Na comunidade Floresta São João existe ainda uma gruta, um cemitério dos anjinhos junto a um cedro. Segundo a Sra. Antonia moradora da comunidade, a gruta existe neste local a mais de 100 anos, pois o monge pernoitou neste local embaixo de um pé de cedro próximo a fonte de água tornando assim a mesma abençoada, aonde as famílias da região vêm buscar água e ate mesmo vinham a se banhar no local para pedir a cura de enfermidades. A romaria de 03 de maio de todo o ano que acontece neste local é devido a uma promessa da avó de D. Antonia para que acabasse a guerra que estava acontecendo na região e com três dias o pedido dela foi atendido, acabando assim a guerra. Esta gruta se encontra hoje muito depredada, mas devido a resistência da família em arrumar a gruta e o local, pois como diz a filha da proprietária D. Maria “São João era uma pessoa simples e não gostaria que mexesse ali”.Sendo assim respeitamos a decisão da família e não foi dado continuidade no trabalho acima proposto.
Nas comunidades de Mato Queimado e Canoeiros, a equipe realizou uma visita encontrando apenas vestígios de Santo Olho, nem mais o poçinho existe nestes locais apenas restos de arames que segundo moradores eram das cercas que cercavam o local e pedaços de imagens e de madeiras quadrada que poderia ser pedaços da cruz do Monge.
No município de Porto Vitoria, devido ao desaparecimento de boa parte dos caboclos que existiam na região esta questão cultural religiosa quase tinha desaparecido tendo assim a equipe dificuldades de encontrar o pocinho. Em uma das atividades que estava acontecendo no pavilhão da igreja, onde uma agente ambiental do projeto estava relatando as linhas de ação do Projeto “Águas em Movimento”, a senhora Nilva relatou que em sua propriedade existia um poçinho que segundo ela a tempos atrás era este local onde os devotos do monge levavam seus filhos para fazerem os batizados bem como seus pedidos de cura e agradecimentos, com o passar do tempo grande parte dos devotos morreram e outros foram embora perdendo assim boa parte desta crença.
Quando pela primeira vez visitamos o local encontramos o mesmo em péssimas condições nesta ocasião fizemos o planejamento das atividades que seriam desenvolvidas para a melhoria deste santo olho, na primeira etapa foi executada a limpeza do poço bem como aberto valetas para melhor escoar a água e visualizamos juntamente com, a comunidade onde seria construída a cerca de proteção ao redor do local, na segunda etapa foi construído a cerca de proteção e demos inicio a construção da gruta e o plantio das mudas de espécies nativas e ornamentais, proteção da fonte sendo que o mesmo estava desprotegido de vegetação arbórea . No terceiro mutirão concluiu-se a construção da gruta, do plantio das mudas nativas e tomada de imagens e depoimentos para confecção do vídeo relacionado aos santos olhos da água. Na continuidade estaremos juntamente com a família e a comunidade divulgando esta questão cultural e buscando mais elementos para enriquecer a historia a entorno do poçinho e do Monge, buscando também dentre as famílias da região alguém que nos ajude a fazer este resgate histórico que estava caindo no esquecimento. E por este local ser próximo a BR153 e a identificação de um marco histórico possa se difundir este resgate a nível de Brasil, podendo assim o local ser visitado por pessoas de outras regiões do país.

Anônimo disse...
ele foi recebido em nossa cidade bem por uma,cidade foi mal recebido e por isso.jogou uma praga na vila sao pedro isso passou fome,e teve que come coro isso parou perto de um senhor e pediu cove meu vo de dó deu linguiça e disse que chuva mais forte ele fes a chuva parar e deu uma foto dele e o abençoou e possou e o vo deu uma coberta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposições Guimarães rosa!

Os dez melhores livros de Paulo Coelho!